Category

Programação

img_20170830_171648659_top

Galaxy of Oppotunities :: Galáxia de Oportunidades

By | Design THinking, Empreendedorismo, Evento, Maker Movement, Makerspaces, Sem categoria, Startups | No Comments

A traditional classroom, an open space, or even the school playground could be a perfect fit to a simple, engaging, and life changing learning opportunity.  On August 30th, CTJ Makerspace offered 30 students from Universidade de Brasília access to tools and expertise that are often beyond the scope of traditional learning environments. We offered participants of the Galaxy of Opportunities 2017 a simple, yet engaging experience, aimed at encouraging STEM and  instilling a sense of leadership and opportunity in those who may be future leaders. We carefully delivered a session specially designed to offer an ambience for creativity, collaboration, sharing of ideas, and access to digital and analog prototyping tools.

The session was divided in three parts: discovery, inspiration, and prototyping. In the beginning, participants learned about the maker movement and startups that use makerspaces around the globe to create and develop their products. In the second part, Rodrigo Franco, cofounder of 3Eixos, a company that was born inside CTJ American Space spoke about the advantages of using our makerspace to boost their business. Also, we talked about Meviro, and how being a partner has helped it build a sound assistive technology makeathon methodology. In the last part, participants experienced design thinking to conceive their own startups and used some of the tools available at the space to prototype their products. It was an inspiring session that got very good feedback from participants and organizers.

Galáxia de Oportunidades

Sessão de design thinking durante o workshop “Makerspace : o kick-off da sua jornada empreendedora”, para os participantes do evento Galáxia de Oportunidades 2017.

Uma sala de aula tradicional, um espaço aberto, ou mesmo o pátio da escola, poderiam ser perfeitos para oferecer uma oportunidade de aprendizagem simples, envolvente e, até mesmo, de mudança de vida. Em 30 de agosto, o CTJ Makerspace ofereceu a 30 alunos da Universidade de Brasília ferramentas e conhecimento que muitas vezes estão além do seu alcance nos ambientes tradicionais de aprendizagem. Oferecemos aos participantes do evento Galáxia de Oportunidades 2017 uma experiência simples, mas envolvente, com o objetivo de encorajaro uso de habilidades STEM e instilar um senso de liderança e oportunidade naqueles que podem ser futuros líderes. Ministramos uma sessão especialmente concebida com carinho para proporcionar naquelas 2 horas um ambiente de criatividade, colaboração, compartilhamento de ideias e acesso a ferramentas de prototipagem digital e analógica.

A sessão foi dividida em três partes: descoberta, inspiração e prototipagem. No início, os participantes aprenderam sobre o movimento do fazer e ouviram as histórias de startups que usam makerspaces em todo o mundo para criar e desenvolver seus produtos. Na segunda parte, Rodrigo Franco, co-fundador da 3Eixos, uma empresa que nasceu dentro do CTJ American Space, falou sobre as vantagens de usar nosso espaço para incrementar seus negócios. Além disso, falamos também sobre a Meviro, e como ser um parceiro do CTJ Makerspace ajudou a construir uma metodologia para desenho de oficinas de cocriação e prototipagem de tecnologias assistivas. Na última parte, os participantes experimentaram uma sessão rápida de design thinking para conceber suas próprias startups e usaram algumas das ferramentas disponíveis no nosso espaço para prototipar seus produtos. Foi uma sessão inspiradora que obteve bons comentários dos participantes e dos organizadores.

img_3981

Bibliotecas CTJ em abril | Resource Centers in April

By | American Spaces, Clubes, Programação | No Comments

In April, resource Centers  delivered engaging programs to enrich patron’s experiences. Not only our students, but also the local community had the chance of participating in STEAM activities, Earth Day Themed Programs, Book Clubs, The Human Library initiative, and Education USA talks. We address important issues and believe that people engage best by being active participants. Check some of the activities below:

Earth Day -Recycled Pencil Case and key ring - Environmental issues were addressed and participants were invited to a DYI session to repurpose plastic.

Book Club - Patrons heard music played live by the American Exchange Student Regina Stroncek. Then,  the musician and her colleague Christina Chabe talked to participants about their experiences in libraries in the US. They talked specifically about Book Clubs and invited everyone to take part in CTJ`s Book Club initiative.  Teachers are enthusiastic about the new club; a good example of engagement was  Vitor Hugo, who sang to participants and enticed more people to take part in this American Cultural treasure.

STEAM Activities - 3D Painting, Chemistry in Bubbles, and Synesthesia Experiment were some of the activities chosen by the RC staff in Lago Sul, Aguas Claras and Sudoeste.

Bibliotecas Casa Thomas Jefferson em março

Dia da terra – Em abril, celebramos o dia da terra com uma atividade mão na massa para exemplificar o reciclar para a garotada. Utilizamos bandejas de isopor usadas e fizemos lindos chaveiros. É uma atividade simples e consciente. Basta desenhar com uma caneta permanente no tamanho da bandeja de isopor, levar para assar uns 2 minutos e voilà. O chaveiro fica durinho e reduzido em tamanho, tornando fácil o furo com uma parafusadeira. O resultado é ótimo e pode ser feito com molde de desenho ou desenho livre. Eles levaram para casa o chaveiro, a lição de reciclagem e o sorriso.

Clube da Leitura - Nessa atividade os alunos e frequentadores do Resource Center puderam apreciar o som de músicas líricas interpretadas pela intercambista americana Regina Stroncek, que, juntamente com sua colega Christina Chabeli, compartilhou sua vivência em bibliotecas nos EUA e dividiu experiências com o objetivo de introduzir o tema do clube de leitura. No sábado seguinte, contamos com a presença do professor Vitor Hugo que cantou músicas para atrair o público na intenção de divulgar a data do próximo encontro do Book Club, bem como a escolha do livro. No último dia 13, presenciamos a empolgação dos participantes ao compartilharem em inglês suas impressões a respeito do enredo e personagens do livro escolhido, “The Phantom of the Opera”. Outros frequentadores presentes foram contagiados com a animação e mergulharam também na aventura do próximo Book Club! Essa atividade consiste no debate sobre as opiniões e impressões de cada leitor. É uma forma descontraída de praticar o uso da língua inglesa. Os encontros acontecem quinzenalmente, aos sábados de manhã.

3D Painting - Com um pouco de cola, espuma de barbear e corante é possível soltar a imaginação e criar lindas pinturas em 3D. Quando a mistura seca, ela gruda no papel e é possível sentir a textura em alto relevo – uma forma diferente de fazer arte e desenvolver a criatividade dos alunos.  A atividade foi um sucesso entre os alunos de 3 a 14 anos. Ao final, fizemos uma exposição dos trabalhos e eles puderam levar para casa sua obra prima.

Bubbles - Bolhas são mágicas! Com a ajuda da química é possível fazer as bolhas de sabão ficarem mais resistentes e demorarem mais para evaporar, adicionando glucose à fórmula e fazendo a camada externa da bolha ficar mais espessa. Com algumas ferramentas como varetas de barbantes,  construídas pelos alunos, ou um pedaço de feltro, foi possível fazer bolhas gigantes e até quicá-las.

Synesthesia – Realizamos duas atividades super legais ligados à sinestesia. O primeiro foi o estetoscópio caseiro, feito de material reciclável, onde eles puderam ouvir os batimentos cardíacos. Os alunos adoraram ouvir os batimentos cardíacos um do outro e ficaram curiosos para fazer o estetoscópio e levar para casa. Nossa outra atividade foi o Disco que toca no crânio. Foi sensacional! Usando um protetor de ouvidos, um disco de vinil e um palito de hashi com uma agulha na ponta preso ao maxilar, os alunos conseguiram ouvir uma música. A música pode ser ouvida, pois temos a audição óssea desenvolvida nas têmporas. Quando acionamos a moléculas do ar, o som estimula a vibração do ouvido que, em contato com as têmporas, estimula essa audição. Muitos  pais curtiram essa experiência super envolvente.

Biblioteca Humana - A Human Library é um movimento internacional que promove uma forma inclusiva de desafiar o preconceito e os esteriótipos através do contato social. Atualmente, este evento é realizado em mais de 60 países. A Human Library promove o encontro e o contato entre as pessoas. São conversas abertas e honestas que podem levar a uma maior aceitação, tolerância e a coesão social nas comunidades. São pessoas reais, em conversas reais, em um ambiente seguro e acolhedor, que facilita o diálogo. É um lugar e um momento onde é permitido fazer perguntas difíceis de maneira respeitosa. Essas perguntas são esperadas, apreciadas e respondidas. Nossos convidados e convidadas são chamados de Living Books, pois assim como em uma biblioteca, um leitor ou visitante da Human Library pode escolher um Livro para ler. A diferença é que os Livros são pessoas reais e a leitura é uma conversa. Na dinâmica da Human Library, as pessoas sentam em grupos de até seis pessoas, com rodadas de diálogo com a duração de aproximadamente 20 minutos. A ideia é que os grupos troquem de mesa a cada ciclo.

A agenda de equidade de gênero é um dos objetivos estratégicos da Thomas. E não por acaso, a primeira edição da CTJ Human Library priorizou a fala de mulheres convidadas a compartilharem suas experiências. Ouvimos Nanauí Amorós evidenciar como ainda hoje o machismo torna difícil mulheres estudarem e trabalharem no campo da tecnologia. Também ouvimos as experiências de Rose de Paula e como seu espírito aventureiro moldou seu futuro profissional na diplomacia brasileira. Conhecemos a história de Ana Paula M. G. e como sua experiência de voluntariado do outro lado do oceano Atlântico se tornou uma poderosa ferramenta de empatia. E finalmente ouvimos o depoimento marcante de Catherine Taliaferro Cox e como uma experiência na infância pode moldar o caráter e os valores de uma pessoa.

Fotos: https://www.flickr.com/photos/ctjonline/sets/72157683582898295/

Vídeo: https://drive.google.com/drive/u/1/folders/0By9vHSE1dmo3a2xSRGkwcXM5elU

screen-shot-2017-06-09-at-10-40-54

Human Library |Biblioteca Humana

By | American Spaces, Cultural, English, Evento | No Comments

Modern American Spaces are lively physical venues that promote honest conversations about relevant topics. There are simple and effective ways to deliver programs that promote social engagement and, at Casa Thomas Jefferson, Library Supervisor Wander Filho keeps his eyes open for these opportunities. He understands the need for meaningful engagement, and got inspired by the Human Library – a global movement that helps build understanding of diversity by providing a framework for real conversations about important issues. Their site brings clear guidelines to help facilitators promote open and honest conversations that can lead to greater acceptance, tolerance and social cohesion in the community.  In April 2017, CTJ used this innovative approach to challenge stereotypes through non confrontational and friendly conversations. Surrounded by inspiring pieces of art at CTJ`s Art Gallery, guest speakers, representing varied social and ethnic backgrounds, were available to participants. It was a unique learning experience for all involved, as it gave voice to different groups and supported a greater understanding of diversity and social cohesion. Among the topics discussed: women in pursue of a career in STEAM, strategies to overcome intolerance, engaging in volunteer work, Traveling to the U.S, etc.

 

A Human Library é um movimento internacional que promove uma forma inclusiva de desafiar o preconceito e os esteriótipos através do contato social. Atualmente é realizado em mais de 60 países. A Human Library promove o encontro e o contato entre as pessoas. São conversas abertas e honestas que podem levar a uma maior aceitação, tolerância e a coesão social nas comunidades. Pessoas reais, em conversas reais, em um ambiente seguro, acolhedor e que facilite o diálogo. Um lugar e momento onde seja permitido fazer perguntas difíceis de maneira respeitosa. Um lugar onde essas perguntas são esperadas, apreciadas e respondidas.

Nossos convidados e convidadas são chamados de Living Books, pois assim como em uma biblioteca, um leitor ou visitante da Human Library pode escolher um Livro para ler. A diferença é que os Livros são pessoas reais e leitura é uma conversa.

Na dinâmica da Human Library, as pessoas sentam em grupos de até seis pessoas, com rodadas de diálogo com a duração de aproximadamente 20 minutos. A ideia é que os grupos troquem de mesa a cada ciclo.

 A agenda de equidade de gênero é um dos objetivos estratégicos da Thomas. E não por acaso, a primeira edição da CTJ Human Library priorizou a fala de mulheres convidadas a compartilharem suas experiências. Ouvimos Nanauí Amorós evidenciar como ainda hoje o machismo torna difícil mulheres estudarem e trabalharem no campo da tecnologia. Também ouvimos as experiências de Rose de Paula e como seu espírito aventureiro moldou seu futuro profissional na diplomacia brasileira. Conhecemos a história de Ana Paula M. G. e como sua experiência de voluntariado do outro lado do oceano Atlântico se tornou uma poderosa ferramenta de empatia. E finalmente ouvimos o depoimento marcante de Catherine Taliaferro Cox e como uma experiência na infância pode moldar o caráter e os valores de uma pessoa.

 

Human Library

35156833705_0df77630ec_z

Maker Fieldtrips

By | American Spaces, Evento, Makerspaces, Português, Projetos, Sem categoria, Smithsonian | No Comments

Equipado com impressora 3D, plotters, cortadora a laser e máquinas de costura, o espaço do fazer da CTJ oferece para a comunidade a possibilidade de se encantar por uma tecnologia, aprender uma habilidade digital e/ou manual, criar um projeto e se conectar com pessoas e ideias inovadoras. Jovens que frequentam espaços de aprendizagem maker, muito comum nos Estados Unidos, desenvolvem a confiança, aprendem a colaborar, ser resilientes e desenvolvem uma atitude positiva ao enfrentar desafios.

Por esse motivo, oferecemos a todos os  alunos da Casa Thomas Jefferson um  fieldtrip ao makerspace para que se tornem parte da nossa crescente comunidade de pequenos fazedores. Nossos fieldtrips acontecem mensalmente e proporcionam experiências únicas de aprendizagem na língua inglesa. No mês de maio, alunos do Lago Sul e da Asa Sul tiveram uma tarde muito animada repleta de desafios. Construímos Máquinas de Rube Goldberg, aparatos que são muito conhecidos e cultuados nos Estados Unidos. Elas já foram imortalizadas em selos, viraram título de livros, têm centenas de páginas temáticas na internet e há anos são tema de competições de grande porte com direito a transmissão pela TV em cadeia nacional.

O desafio da tarde era o de criar em grupos a mais estapafúrdia e trabalhosa  maneira de realizar a tarefa básica de fazer uma bolinha cair  de cima de uma caixa para um alvo no chão. O desafio extra era o de construir um circuito simples com módulos de Littlebits para iniciar todo o processo. A construção das máquinas durante os fieldtrips foi um meio nada convencional, mas muito eficiente, de levar os estudantes aos infinitos caminhos da imaginação, criatividade e do pensamento intuitivo.

Consulte aqui a nossa programação mensal e participe.

 

img_1439

Making My First Robot | Meu Primeiro Robô

By | English, Evento, Maker Movement, Português, Programação, Sem categoria | No Comments

3D printed parts, wires, batteries, switches, servo motors, sensors, and arduinos were all electronic components that were tinkered with to help kids make their first robots. There’s no better way to get introduced to arduino than seeing how they bring  objects to life. Using simple construction tools and electronic components,  children who came to our 3D Printing for Kids Workshop  put together their OTTOS - interactive robots that can dance, walk, make sounds, and avoid obstacles. Otto causes a wow effect at first glance. The idea came from a parent, a cellphone app developer who wanted to give his kid this amazing learning experience,  brought for us the idea,. He told us he wanted his kid to be curious, passionate and eager to learn new things.

What are the qualities we value in this activity?

Science and Art Connection

As you build your first OTTO,  you understand how it works from the inside, make  basic circuits and have an overview of what an Arduino is and what it does. In addition to playing around with scientific content, children learned how to be patient and resilient, which are important skills to learn nowadays.

What is the personal View of an educator on this maker activity?

Isadora was my English as a Foreign Language Student when she was five. At the time, I taught her the numbers, the alphabet, names of objects. Now 12, she shows up at CTJmakerspace for the OSMO with the same curious eyes and smiley face. As one of the facilitators in the session, I could see her start developing her maker identity. I saw her developing  a I can do it attitude that might lead her to an understanding of what she can do and what dispositions she might have when interacting and making a tangible objects. Isadora is a lucky kid for having supporting parents who understand the c\value of rich and varied education. We hope more and more kids will too.

Peças impressas, fios, baterias, interruptores,  motores, sensores, buzzers e Arduinos foram os componentes eletrônicos usados na nossa oficina Monte seu Próprio Robô. Não há melhor maneira de ver pela primeira vez conceitos básicos de Arduino (plataforma de prototipagem eletrônica) do que ver como eles trazem objetos à vida.

Usando ferramentas de construção simples e componentes eletrônicos,  jovens montaram  seus OTTOS - robôs interativos que podem dançar, andar, fazer sons e evitar obstáculos. A ideia da oficina nasceu de uma conversa com um pai que gostaria e engajar o filho em uma atividade maker, mas não conseguia motivá-lo. “Fazer o projeto em um grupo com o apoio de facilitadores em um ambiente de estímulo a criatividade fez toda a diferença” , nos disse o pai ao final da sessão.

O que  valorizamos nesta atividade?

Conexões de Ciência e Arte Construir o robô com as próprias mãos, fazer circuitos básicos e ter uma visão geral do que um Arduino é e o que ele faz, são algumas das habilidades que os jovens aprenderam. Além de ver na prática o  conteúdo científico, os jovens aprenderam a ser pacientes e persistentes, habilidades importantes para aprender hoje em dia.

Conexão do Mundo Real

Montar seu próprio OTTO do zero ajudou os adolescentes a entender os princípios básicos de Arduino e como podem usar linhas de código simples para mudar o comportamento do robô. Este conhecimento pode ajudá-los a entender que quando investimos tempo em um projeto, o erro deve ser  visto como parte do processo se  forem persistentes e resilientes e que eles podem fazer muito mais com tecnologia do que apenas consumi-la.

Jovens felizes e pais encantados nos deram excelente feedback. Uma das mães nos mandou a seguinte mensagem: A Isadora leva o Otto a toda parte e fala feliz que o fez sozinha. Ela está curiosa e quer muito aprender mais sobre Arduino e programação.

Making My Fist Robot

img_20170328_180447171

Bibliotecas CTJ em Março | Resource Centers in March

By | American Spaces, Programação, Projetos, Sem categoria | 6 Comments

In March, our makerspace and all six libraries scattered around Brasilia held engaging STEAM programs that revolved around American ingenuity and aimed at motivating participants to deepen their interest and curiosity to pursue careers in science, technology, engineering and mathematics (STEM).  Patrons and members of the community come to the our libraries to be inspired, learn new skills and have experiences that they don’t have access to anywhere else other than CTJ American Space.

Our main branch Resource Center, besides all the daily routines, offered two simple, yet engaging programs in March. The first one celebrated Saint Patrick’s Day and engaged participants in a series of English Learning tasks. More than 250 participants learned about Saint Patrick’s history, how this date is celebrated in the U.S., and made delicious green waffles. The second activity involved short stories. We launched this ongoing activity with an intriguing story of a boy who got a dog that had only one leg. Discussion was led that questioned our understanding of empathy, civil rights and the challenges people with disabilities face.

In our Asa Norte and Lago Sul branches, learning took place by the means of two STEAM experiments – the Electric Pendulum and the Electron Detector. In the first activity, English language learners were exposed to extra-curricular activities that made them realize the existence of magnetic fields. 85 youth came to the library to be surprised, explore and learn. We also had simple activities to promote the English Language that counted with massive participation of motivated young minds. Patrons made a very exquisite mix and created 3D pieces of art with it. We also had Rube Goldberg Machines and the revival of the CTJ Book Club.  In Taguatinga, CTJ staff members organized a lively session on augmented reality. At Casa Thomas Jefferson, learning is a holistic and captivating experience.


No mês de março, alunos, pais e comunidade em geral participaram de atividades que estimularam a criatividade, colaboração e aprendizado interdisciplinar para celebrar datas importantes, aprender aspectos culturais e enriquecer o aprendizado da língua Inglesa. 

Saint Patrick‘s Day - Para celebrar Saint Patrick‘s Day, o RC da Asa Sul criou uma gincana com ligue as piadas, complete o texto e responda ao quiz. Como prêmio, fizemos um waffle colorido e os alunos participaram em peso. 

Short Stories Animated - Nossos alunos e membros do Resource Center tiveram momentos de reflexão e de fortes emoções nas sessões de Short Stories que aconteceram no RC da Asa Sul. A primeira sessão aconteceu antes do início das aulas para os frequentadores do RC. Utilizamos um curta que mostrava um jovem ganhando um cachorro que não tinha uma pata para estimular a reflexão sobre pessoas com necessidades especiais. Convidamos também diferentes turmas e escolhemos curtas dentro do que estava sendo trabalhado pelos professores. Esta atividade será mantida e novos assuntos serão abordados. O intuito é manter o Short Stories sempre alinhado à procura dos professores e do interesse dos frequentadores.

Electric Pendulum - Nessa atividade, os participantes perceberam a existência do campo magnético e puderam diferenciar as cargas elétricas e verificar a relação entre cargas opostas e idênticas.  Ao abrir uma raquete elétrica e identificar os fios positivo/negativo, os frequentadores fizeram conexões que permitiram criar um pêndulo elétrico “eterno”. Foi uma experiência singular e todos gostaram muito da atividade. Tivemos 85 participantes. Alguns professores também trouxeram suas turmas.

Electron’s Detector – Os participantes puderam fazer a transferência de carga elétrica do próprio corpo para um balão e retransmitir esta carga para uma esfera feita com papel laminado e assim perceber o comportamento dos elétrons de cargas iguais. Foram 71 os envolvidos diretamente na execução desta atividade.

Sistema Hidráulico –  A partir de um guindaste hidráulico produzido dentro do Resource Center, nossos usuários puderam entender de forma prática o seu funcionamento. E para tornar o aprendizado ainda mais divertido os 94 participantes tiveram um desafio a cumprir e aqueles que conseguiram em menor tempo foram para o ranking entre os desafiados.

3D Paint - Nossos jovens cientistas fizeram um experimento com espuma de barbear, cola branca e corante alimentício para fazer uma pintura tridimensional.

Rube Goldberg Machine – Os alunos construíram uma máquina de reação em cadeia. Com material reciclável, uma caixa de papelão e muita fita adesiva, os alunos colocaram a mão na massa e testaram várias hipóteses até alcançarem o objetivo.

CTJ Book Club - O Book Club é uma atividade dedicada às pessoas que gostam de ler, ouvir interpretações diferentes, conhecer novas pessoas e ainda aprimorar o conhecimento na língua inglesa. O Book Club proporciona um ambiente descontraído e harmonioso entre pessoas das mais diversas faixas etárias, perfis e níveis de conhecimento da língua.

Make Things Come Alive  – Em Taguatinga, jovens aprenderam conceitos de costura de cadernos e se encantaram com as capas de realidade aumentada.

img_20161112_065655

Access Students at CTJ Makerspace

By | Classroom, Digital Literacy, English, Evento, Maker Movement, Makerspaces, Sem categoria, Smithsonian | No Comments

The English Access Micro scholarship Program (Access) provides a foundation of English language skills to youth ranging from  13 to 20 year-olds from economically disadvantaged sectors. The program makes available  after-school classes and intensive sessions in well known language institutions.  Access gives participants English skills that may lead to better jobs and educational prospects and Casa Thomas Jefferson is always careful with the design of the lessons and material choice so that access students are offered the best teaching practices.

On November 11th, 60 access students came to our makerspace and our staff  provided them with learning opportunities  specially designed  to “fulfill the human desire to make things”. Our team used years of teaching experience aligned with the knowledge we have gained making our space to design activities for our access students. During the sessions, students worked in groups and had to perform three tasks. The underlining assumption in each of the tasks was that success in a knowledge society is not about knowledge alone. Learning environments  must focus on building a culture of innovation, beginning by creating a foundation for lifelong learning. All the activities motivated collaboration and  provided students with digital and analog tools to support learning practices that inspire such culture.

 

 

13619911_1027380133965899_5024992015821975872_n

Youth Innovation Camp – 2016

By | Maker Movement, Makerspaces, Programação, Smithsonian | No Comments

Youth Innovation Camp 2016 brought together 56 young minds, library staff members, guest speakers and facilitators from varied fields to celebrate learning by doing, build a maker mindset, and think creatively about viable business models.

Many parents and educators agree that there is a surpassing need for informal educational programs that promote learning in science, technology, engineering, arts & design and math (STEAM). There is also high demand for spaces that offer people opportunities to experience learning in innovative, modern ways. Having these needs in mind, the camp`s narrative revolved around the themes of coding, prototyping, and creativity, and campers were immersed in the makerspace collaborative environment to learn about the possibilities, tools, and technologies available.

20160707_151040-1 

The first day started with campers getting inspired by President Obama`s speeches about coding, by Leonardo Da Vinci and his prolific approach to making and inventing, and by Michelle Obama`s and her talks on eco-literacy. We had a maker showcase, during which, students made something with their own hands and were very excited about having access to hot glue guns, scissors, motors, LED lights, soldering iron, 3D printers, and a plotter machine. The second activity was also a big hit among campers. With high-quality Smithsonian material, they learned about Rube Goldberg machines and had a blast grasping varied concepts in a very supporting atmosphere.

On the second day our guest speaker – a local young entrepreneur who devotes his time to working with assistive technologies for people with disabilities – wowed campers with his latest project, meviro.org.  Campers were challenged to work on product design, prototype, slogans and pitches. Later, they drew logos to have them printed out in the 3D printers.

The chef Diego Rhoger impressed campers with his experiments in the kitchen. Kids learned how to handle knives like chefs and turned healthy ingredients into surprising dishes by using basic concepts of molecular gastronomy. Right after this yummy day, campers went back to work on their products` visual identities and marketing strategies, getting ready to sell their ideas. Youth Innovation Camp is becoming a reference for creative minds willing to engage in meaningful, relevant, informal learning opportunities.

BRAIN TEASERS

By | Português, Programação | No Comments

A partir de uma exposição que visitei no Children’s Creativity Museum, museu iterativo de arte e tecnologia para crianças, em São Francisco, chamada “Brain Teaser 2”; criamos em nosso Resource Center uma mesa com alguns “brain teasers” (quebra-cabeças) para nossos alunos. É sabido que esse tipo de atividade promove o desenvolvimento do raciocínio lógico, a resolução de problemas, criatividade, o espírito colaborativo, e também  ajuda no aumento da memória. Mesmo não sendo muitos, nossos quebra-cabeças fazem muito sucesso com os nossos alunos, pais e funcionários.

Maguimar Valin

Casa Thomas Jefferson – Brasília

CAM00094 (1) CAM00100

 

Design Criativo

By | Maker Movement, Português, Programação, Smithsonian | No Comments

12112236_894972860539961_6806880128467559671_n

O American Space Casa Thomas Jefferson trabalha em parceria com a Embaixada dos Estados Unidos e outros Centros Binacionais no Brasil para implementar o projeto  “Achieving 21st Century Skills”. Além de trazer o movimento do fazer (importante conceito da cultura americana) para dentro dos centros, o projeto tem também o objetivo de criar sinergia entre os departamentos cultural e acadêmico, Resource Center e EducationUSA. Muitas vezes, temos nos American Spaces exposições que tratam de assuntos como meio ambiente, preservação, tolerância, etc. Esses temas estão relacionados à missão dos Estados Unidos no Brasil. As exposições e eventos culturais que já acontecem nos American Spaces podem ser oportunidades interessantes para estimular pessoas a participarem do movimento do fazer, colocar a mão na massa e sentir-se parte de uma comunidade dentro da escola para aprender uma habilidade nova e interagir de maneira autêntica e divertida. Veja abaixo um exemplo de como uma exposição de arte se tornou ponto de partida para uma atividade ‘maker’ (extracurricular) em um American Space.

Overview:

As artistas Hermidia Metzler e Marrcia Mazzoni exibem o trabalho “Metamorfose da Matéria” na Galeria de Arte da Casa Thomas Jefferson e se propõem a trabalhar junto com a comunidade no programa “Criação de Soluções”. O programa tem o objetivo de abrir espaço de estímulo à criatividade por meio de encontros para apreciar arte e, assim, abrir discussões sobre desafios do mundo moderno e criação de objetos funcionais ou decorativos usando o que se tem, em vez de se comprar tudo pronto. O “Criação de Soluções” seria o primeiro programa, mas a ideia não é fazer somente um encontro e, sim, reunir um grupo para aprender em conjunto de forma bem prática. Os conhecimentos vão desde técnicas básicas até as mais diferentes e elaboradas – de acordo com o interesse e motivação do grupo. Bordado, origami, batik, crochê, customização de roupas, macramê e circuitos vestíveis são alguns dos tópicos previstos, sempre contando com a parceria de artistas que geralmente expõem na galeria. Além de aprender as técnicas, os participantes mais iniciantes nesse universo vão ganhar uma nova forma de olhar para o mundo, buscando dar outro significado aos objetos ao seu redor e até ver beleza em itens que poderiam ser descartados. Os que já desenvolvem projetos nessa linha vão ganhar um espaço de convívio e de troca com outros amantes dos trabalhos manuais. Experts e iniciantes são bem-vindos e esperamos que todos possam aprender muito uns com os outros – e estimulados por artistas e facilitadores.

A Oficina – passo a passo

Planejamento:

5’ – Conte uma historia sobre a viagem de cientistas do instituto Smithsonian para Curaçao e o mar de plástico encontrado por eles para trabalhar a conscientização das escolhas de produtos para consumirmos e de como descartamos lixo. Ocean Trash: Marine Debris From Shore To Sea

15´ – Incentive os participantes a visitarem o site Ecosytem on the Edge para calcularem o impacto que suas escolhas de consumo causam ao meio ambiente. http://www.n-print.org/sites/n-print.org/files/footprint_java/index.html#/home

2 horas – Oficina Mão na Massa – Momento para usar a criatividade e usar sucata para criar produtos bonitos que realmente despertem o interesse do público em colaboração com artistas e/ou makers locais.

 

 

 

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Makers na Feira Capital Estudante

By | American Spaces, Programação | No Comments

A Casa Thomas Jefferson, o IRC e a Embaixada Americana participaram juntos da Feira Capital Estudante, evento que chega a sua quarta edição com temáticas inovadoras para auxiliar jovens em suas carreiras profissionais. O Presidente americano Barack Obama e sua primeira dama Michelle Obama estiveram na 4ª edição da Feira Capital Estudante. Os visitantes da feira foram recebidos pelos bonecos do casal no stand da Embaixada Americana e puderam tirar fotos ao lado dos dois. Estudantes contaram com o apoio do IRC para conhecer as oportunidades de estudo nos Estados Unidos. Além de graduação, inglês intensivo e cursos de curta duração, a Embaixada dos Estados Unidos também oferece possibilidades para mestrado e doutorado. Quem quiser mais informações sobre quais cursos escolher, as universidades voltadas para as áreas de seu interesse e cidades mais apropriadas para estudar já tem um endereço certo: é o EducationUSA, escritório para assuntos educacionais dos EUA, situado na Casa Thomas Jefferson da 606 Norte. Outro diferencial do espaço é o programa Jovens Embaixadores, por meio do qual a Embaixada seleciona jovens que querem modificar sua comunidade para passar um mês nos Estados Unidos desenvolvendo programas de cunho social. O stand da Embaixada Americana também contou com o apoio da equipe do Departamento de Inovação da Casa Thomas Jefferson, que falou para um grupo de estudantes do ensino médio da rede pública sobre o movimento do fazer. Os alunos ficaram encantados com as atividades de Makey Makeys, Snappy Circuits, Osmos, Squishy Circuits, entre outros, e viram como programação e o aprendizado mão na massa são importantes conceitos na cultura americana. A oficina maker terminou com os alunos sendo convidados a visitar o stand e conhecer as oportunidades de estudos na áreas STEAM: Ciência, Tecnologia, Engenharia, Arte e Matemática.

DSC_0059

Youth Innovation Camp

By | 21st Century Skills, Digital Literacy, English, Maker Movement, Programação, Smithsonian | No Comments

Logo-YIC (1)There are great ways for kids to spend their time off from school. If the activities enable participants to use their creativity to self-express, tinker, and learn new skills, it’s even better. Last July, the Binational Center Casa Thomas Jefferson, in  coordination with the U.S. Embassy, offered the community the chance to do just that. Youth Innovation Camp, Casa Thomas Jefferson’s very first summer camp, motivated participants to come to the main branch for five days and experience different learning possibilities. The themes varied from inventions, entrepreneurship, coding, 3D printing, making, and STEAM, and  all the activities offered participants the chance of engaging in rich authentic use of the English Language to learn a new set of skill and how to do or make something new. The CTJ task design team used as inspiration materials from the well known chain of museums The Smithsonian Institute to enrich participants experiences. We share here all the activities developed during the camp so that other language schools, Binational Centers, and libraries  and schools also offer little creative minds the chance to get creative and participate of the Maker Movement and redefine some learning spaces.

Youth Innovation Camp engaged participants with  immersive experiences carefully planned  by Casa Thomas Jefferson teachers  in collaboration with the  Maker Team from all  Resource Centers. During the five afternoons in each weekly edition, Casa Thomas Jefferson`s main branch effervesced Campers who were eager  to experiment with different possibilities of practical and playful learning. Various topics related to inventions , programming, 3D modeling, STEAM activities, entrepreneurship and toy making were explored. Day by day participants were wowed, discovered and learned in a playful and collaborative way. Participants realised that to create something new,  it takes just curiosity, inventiveness and not be afraid to try as many times as necessary. Our motto of the camp was: It`s ok to fail!

For the Youth Camp team, it was an immeasurable joy to have spent such creative time with the children, leading them in this adventure of discovery and the thrill of ‘learning by making’. It was very rewarding to have them with us these two weeks and notice their engagement, excitement and willingness to learn. And after the feedback received from students and parents, the feeling that remains is that we have a successfully crowned design. Hope to see you in the next Camp!

Young Entrepreneur 

STEAM

Coding and 3D printing

Inventor Day

Makers

DSC_0059DSC_0065 (1)

 

DSC_0095DSC_0097

 

DSC_0109IMG_20150707_171602616_TOP

 

IMG_20150708_161520204DSC_0017

Aprendendo a programar

By | American Spaces, Português, Programação | No Comments

Você já foi surpreendido pela rapidez com que uma criança aprende como usar um tablet ou celular? No vídeo acima, uma menina muito jovem, parece já ter compreendido muito. O que ela faz tão bem ilustra o que Seymour Papert e Paulo Freire dizem quando eles mencionam a importância de libertar o potencial de aprendizagem latente dos alunos ao proporcionar  ambientes onde suas paixões e interesses prosperem. As verdadeiras razões para defender o uso de computadores nas escolas não são tecnocêntricas. Na verdade, as verdadeiras razões são realmente práticas. Meu filho, por exemplo, adorava o jogo Minecraft, e ele aprendeu a fazer coisas maravilhosas dentro do jogo que tinham valor para a sua comunidade. Ele aprendeu a gravar sua tela, editar, e fazer um blog colaborativo para compartilhar suas idéias. Sua construção do conhecimento aconteceu muito rapidamente e ele aprendeu sozinho, publicou e compartilhou seu conteúdo. Eu simplesmente não vejo o mesmo acontecendo quando se trata da escola. Outra coisa a considerar é que ele também aprendeu sobre a mineração, química e até mesmo física. Será que estamos às vezes privando os alunos da diversão por trás da aprendizagem quando lhes pedimos para se sentar em silêncio e ouvir? Será que eles realmente internalizam o conteudo ou ficam se perguntando quando eles vao usar toda aquela informacao? Eu estava contando a um amigo sobre escolas nos EUA, Austrália e Inglaterra que ensinam as crianças a programar, e ela me fez a seguinte pergunta:

Será que todas as crianças se tornam programadores?

Para mim, aprender a programar é aprender a pensar de uma maneira nova e comecar a aprender como controlar o computador. Hoje em dia, a codificação é para todos, e ensina a criatividade, cooperação e persistência. Se você se interessa por esse assunto e gostaria de explorer alguns aplicativos feitos para crianças e jovens, explore a imagem abaixo.